2 de nov de 2013

Clemente Gomes apresenta Noite dos Tambores - 02/11/13



CENTRO CULTURAL CLEMENTE GOMES - Av. Olivo Gomes, 100 - Santana (entrada pelo Parque da Cidade) - (12) 3924-7358 - São José dos Campos - O Centro Cultural Clemente Gomes foi inaugurado em 1996, ocupa o prédio que pertencia à Tecelagem Parahyba (no Parque da Cidade) e é o maior espaço da Fundação Cultural.

CLIQUE NO BANNER/VIDEO ABAIXO, ASSIM VC AJUDA A AGENDA CULTURAL EM UM SEGUNDO!
Ajude a Divulgar!! Curta!!!

Jovens de três estados têm encontro em São José para celebrar o jongo

O Centro Cultural Clemente Gomes (Avenida Olivo Gomes 100), no Parque da Cidade, terá uma celebração de jongo neste sábado (2 de novembro), a partir das 20h. Mais de 50 jovens jongueiros da região sudeste do país vão se encontrar na “Noite dos Tambores”, em São José dos Campos. A entrada é gratuita.

Esses jovens representam 16 comunidades dos estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. “A ideia desse encontro é dar continuidade à cultura do jongo entre essas novas gerações, muitos grupos se acabaram porque os mais velhos morreram e não passaram esse conhecimento às outras gerações”, explica Mestre Laudení, do grupo joseense Mistura da Raça, composto por 30 integrantes e com 12 anos de existência.

De acordo com o Instituto do Patrimôno Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), o jongo é uma forma de expressão afro-brasileira que integra percussão de tambores, dança coletiva e práticas de magia. É uma forma de louvação aos antepassados, consolidação de tradições e afirmação de identidades, com suas raízes nos saberes, ritos e crenças dos povos africanos, principalmente os de língua bantu. São sugestivos dessas origens o profundo respeito aos ancestrais, a valorização dos enigmas cantados e o elemento coreográfico da umbigada.

No Brasil, o jongo consolidou-se entre os escravos que trabalhavam nas lavouras de café e cana-de-açúcar, no sudeste brasileiro, principalmente no Vale do Paraíba. Trata-se de uma forma de comunicação desenvolvida no contexto da escravidão e que serviu também como estratégia de sobrevivência e de circulação de informações codificadas sobre fatos ocorridos entre os antigos escravos por meio de pontos que os capatazes e senhores não conseguiam compreender. 



"Os Eventos são de inteira responsabilidade dos envolvidos (estabelecimento, artistas...), a Agenda Cultural apenas divulga o que nos é passado. Eventos sujeitos a alteração de data, horário e local. Mais informações favor confirmar com o local indicado. Muito Obrigada."  


PARCEIROS: